sábado, 25 de julho de 2009

Ideias para a comunidade

Neste ultimo sábado encontrei uma amiga que é formada em educadora de Infância ou algo envolvendo este saber.

Referiu ter enviado o CV para alguns jardins de Infância e as respostas dadas já em entrevistas foram no mínimo preocupantes. Desde o facto de oferecerem uma remuneração mensal muito aquém do esperado para alguém que se quer profissional e conhecedor da área, a “moldarem” desde logo que os pais aqui do sitio, entenda-se, com posses, eram especiais… Enfim, MAU… J Tudo isto aqui nas Colinas do Cruzeiro, Urbanização que ao que parece tem uns pais muito permissivos com as regras que os supostos Educadores de Infância e profissionais da área deveriam impor aos seus queridos filhos… O miúdos podem tudo… Se é que me entendem!

O que senti aqui, vi, revi noutros sítios por esta Lisboa fora, e porque não dizer, Portugal.

Bom, isto apenas para vos fazer perceber, que aqui onde habito, onde supostamente mora gente com alguma “formação Cívica”, se anda a criar monstrinhos…

Os miúdos de amanhã. Arrogantes, birrentos, egoístas… Imaginem o resto. E ainda faltam aqueles que por não terem nada, se tornam em proporções idênticas nos mesmos moldes egoístas, birrentos e arrogantes…

Toda a conversa com esta minha amiga me levou a fazer alguma reflexão sobre que tipo de gente e comunidade que nos rodeia a todos… Sobre todos os círculos que nos irão envolver, quais os tipos de interacção que nós, Políticos, e todos aqueles com responsabilidade na sociedade civil, precisaram de ter e criar para “educarmos” estes filhos dos “outros” mas filhos de Portugal. Será que esta gente conhece o sentido família, valores, limites? O preconceito de certeza que sim…

Como estou aqui a tentar desenvolver e definir temas para a campanha na Junta da Pontinha, situação análoga e transversal a quem aceitou mais um desafio a bem das comunidades locais e para o futuro da sociedade futura, gostaria que pudéssemos desenvolver algum saber, ou pelo menos indo debate-lo através “daqui”.

Eu acho o desafio tentador. Digam de vossa justiça.

4 comentários:

Adriana Gaspar da Rocha disse...

Não vou comentar este post (fica para mais tarde)...
Só quero "dizer" que deixei a resposta ao seu comentário no meu blog... :-)

Adriana Gaspar da Rocha disse...

Numa calma tempestade...

Penso que voltar aos anos 80 e recordar o que se pensava, é uma boa forma de entender o que se sente 20 anos despois...

"Re-resposta" no meu blog

:-)

Francisco Domingues disse...

Antes de querermos mudar o mundo, como todos queremos, temos que começar por mudar os que nos rodeiam: filhos e comunidade, enquanto em formação; depois, é tarde demais! Toda a gente deveria saber- pais e educadores - que educar implica cortes e renúncias, disciplina e trabalho exigente. Só assim se formarão homens e mulheres que amanhã não dêem cabo, com seus desvarios e perversidades, da comunidade sociedade, humanidade, de que fazem parte.

Francisco Domingues disse...

Antes de querermos mudar o mundo, como todos queremos, temos que começar por mudar os que nos rodeiam: filhos e comunidade, enquanto em formação; depois, é tarde demais! Toda a gente deveria saber- pais e educadores - que educar implica cortes e renúncias, disciplina e trabalho exigente. Só assim se formarão homens e mulheres que amanhã não dêem cabo, com seus desvarios e perversidades, da comunidade sociedade, humanidade, de que fazem parte.